CidadesDestaquesGeralImperatrizJustiçaMaranhãoPolicial

Imperatriz: Polícia identifica suspeito de espancar sargento durante discussão de trânsito

Sargento do Corpo de Bombeiros Jéferson Félix Ulisses ficou bastante machucado e pede justiça.

A Polícia Civil informou que já identificou o suspeito de espancar o sargento do Corpo de Bombeiros Jéferson Félix Ulisses na noite do último sábado (1º). Por enquanto, a polícia não divulgou o nome do investigado.

O caso aconteceu em Imperatriz, na região sudoeste do Maranhão. As agressões sofridas pelo militar foram registradas por câmeras de monitoramento na Rua Simplício Moreira e houve grande repercussão nas redes sociais.

Segundo a polícia, as agressões começaram após o sargento colidir seu veículo contra uma caminhonete. Nas imagens, dois ocupantes saem e o sargento é agredido com socos e chutes por um deles, logo após uma discussão.

O outro ocupante da caminhonete tenta impedir que o militar seja agredido, mas o sargento continua sendo espancado. Após o fato, o Jéferson registrou um Boletim de Ocorrência (B.O) no Plantão Central da Polícia Civil de Imperatriz.

Por conta das agressões, o rosto do sargento ficou muito machucado. Ele afirma que estava voltando de uma lanchonete quando aconteceu a batida e, em seguida, ele foi agredido.

“Aconteceu de uma forma muito inusitada pelo fato de que estava tudo resolvido com o proprietário da caminhonete. E esse rapaz que estava de carona, por sua vez, ficou todo tempo lá buzinando, enchendo o saco, até que no finalmente a gente acabou tendo, nem lembro como foi, e ele achou de partir para a agressão sem que houvesse um pingo de necessidade para isso. O fato já tinha sido acertado, não houve nada na caminhonete, não houve danos materiais do condutor, mas embora isso o rapaz resolveu partir para a agressão e resultou nisso”, disse o sargento.

Foram realizadas buscas na sala de monitoramento da Cetran para localizar as imagens da agressão. O sargento pede justiça para o caso.

“A partir do momento que ele me deu o soco, eu já não consegui me recordar de nada. Eu caí e ainda sim ele continuou batendo. Mas de qualquer forma assim, eu com 25 anos de corporação do Corpo de Bombeiros, sempre no intuito de salvar vidas, e aí se deparar com uma situação dessas é muito chato”, concluiu Jéferson.

Fonte: G1 Maranhão

Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo