Destaques

Aplicações do Banco do Nordeste no Maranhão de janeiro a outubro superam R$ 3,4 bilhões

Já o programa Crediamigo aplicou R$ 950,9 milhões no Estado, a partir de um total de 296 mil operações de crédito com microempreendedores urbanos e MEIs (Microempreendedores Individuais).

As aplicações globais do Banco do Nordeste no Maranhão alcançaram, em 2020, na posição do último dia 13 de outubro, R$ 3,4 bilhões de investimentos, somando-se todas as fontes de recursos operacionalizadas pelo Banco do Nordeste, o que corresponde a 13% de todo o volume aplicado pela instituição financeira no ano.

Somente com investimentos do FNE, foram aplicados R$ 2,1 bilhões, referentes a 49,3 mil operações de crédito com diversos segmentos econômicos, a exemplo das micro e pequenas empresas, que obtiveram financiamentos na ordem de R$ 354,7 milhões para 3,5 mil empreendimentos, e produtores rurais, que receberam R$ 224,7 milhões por meio do Agroamigo do Banco do Nordeste.

Já o programa Crediamigo aplicou R$ 950,9 milhões no Estado, a partir de um total de 296 mil operações de crédito com microempreendedores urbanos e MEIs (Microempreendedores Individuais).

Regional – Já nas onze unidades federativas onde o BNB atual – os estaados do Nordeste mais os Norte de Minas Gerais e Espírito Santo – as aplicações somam R$ 30 bilhões, correspondentes a 3,7 milhões de operações.

Do valor total investido na área de atuação do BNB, que abrange os nove estados da Região e o norte de Minas Gerais e do Espírito Santo, R$ 20,3 bilhões são recursos oriundos do principal funding da Instituição, o Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), por meio do qual foram contratadas 475 mil operações.

Segundo o presidente do BNB, Romildo Rolim, “apesar da crise sanitária e das limitações impostas pelo cenário complexo, o Banco do Nordeste, seguindo as orientações do Governo Federal, conseguiu trabalhar na ponta, ficando ao lado dos empreendedores em um momento difícil e de muitos desafios, como manter as empresas com saúde financeira e garantir o emprego da população”. Rolim acrescentou que “nosso compromisso é aplicar todo o orçamento até o final do ano”.

Os investimentos na economia regional beneficiaram os setores de Comércio e Serviços, com R$ 6,1 bilhões, para o total de 34,9 mil operações; Rural, com R$ 4,2 bilhões, equivalentes a 153 mil operações; Industrial, com R$ 1,5 bilhão, correspondentes a 4,1 mil operações; Turismo, com R$ 405,4 milhões, para 1,7 mil operações; e Agroindústria, com R$ 386 milhões aplicados em 330 operações. Na Infraestrutura, as aplicações somaram R$ 4,6 bilhões.

O Semiárido, região estratégica na programação do FNE, recebeu investimentos no valor de R$ 10,6 bilhões, no período, superior a 50% do total de recursos aplicados pelo Fundo Constitucional na área de atuação do Banco. Em termos de operações contratadas nesta região específica, foram 351 mil operações, equivalentes a 73,9% do total contratado em todas regiões.

Apoio aos pequenos – Na performance dos dez primeiros meses de 2020, o segmento de micro e pequenas empresas (MPE) destaca-se com incremento de 26,6% nas aplicações em comparação com igual período do exercício anterior. Foram R$ 3,7 bilhões contratados para um total de 46,6 mil operações.

O Crediamigo do Banco do Nordeste, maior programa de microfinança urbana da América do Sul, contratou, até 13 de outubro deste ano, R$ 8,6 bilhões (incluindo R$ 1 bilhão oriundo do FNE), registrando crescimento de 3,4% em relação a igual período de 2019. No total, o programa somou 3,2 milhões de operações, beneficiando empreendedores informais e micro empreendedores individuais (MEI).

Já o Agroamigo, programa de microfinança rural do Banco do Nordeste, aplicou R$ 2,1 bilhões, para o total de 410,9 mil operações, enquanto o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) isoladamente financiou R$ 383,3 milhões, minimizando os efeitos da crise sanitária no campo.

FNE Emergencial – No âmbito do programa FNE Emergencial, lançado pelo Governo Federal em abril para minimizar os efeitos da pandemia na economia regional, o Banco do Nordeste contratou os R$ 3 bilhões previstos para investimento e capital de giro em socorro às empresas e empreendedores, localizados nos municípios em que foi decretado estado de emergência. A linha emergencial teve toda a meta aplicada, com taxas de 2,5% ao ano e carência até 2021. Além disso, o Banco suspendeu as parcelas, ampliando o prazo de pagamento dos financiamentos contratados antes da pandemia.

Fonte

Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo